21.4.10

Apologia da derrota?

Está bem, a luta do rapaz era uma luta inglória. Ok, não chegou a ser cristianizado; foi pior: traído. Enforcado, corpo retalhado e espalhado pelas Minas Gerais, tornou-se mártir de uma causa que não deu frutos - aliás, o 'quinto' é praticamente 'metade'. Quase não foi citado entre os artífices da Independência ou da República. Virou feriado. E, no feriado, a população é como pombos em monumentos incertos... (Preciso explicar?)

O Descobrimento do Brasil - 'só' isso, não vira feriado.

Entenda-se!

9.4.10

Fluminenses, mandem parte da conta para o Sr Geddel, o sincero.

do Radar Online:

De Geddel Vieira Lima respondendo sobre o noticiário que mostrava que a Bahia recebeu 64% das verbas contra as enchentes no tempo em que ele foi ministro da Integração Nacional:

- Não é bem assim. Mas enquanto disserem que eu dei mais dinheiro para a Bahia não deixa de ser bom para mim

Uau, mas que espantosa sinceridade! Mais espantoso será perceber que boa parte da população baiana não se importará com essa declaração na hora do voto. E ainda mais espantoso é saber que nem a Bahia, nem o Rio de Janeiro são lugares melhores a partir das ações da pasta sob responsabilidade desse rapaz.

Bem, Sr. Geddel, essa pequena molecagem com as verbas públicas ajudou a matar algumas centenas de pessoas e a desalojar outras milhares no Rio de Janeiro. A população fluminense pode mandar a conta pro seu ministério?

8.4.10

Entendeu?

Um texto para explicar:

"Esta discussão fundamenta-se nos eixos transversais da universalidade, integralidade e eqüidade, em um contexto de descentralização e controle social da gestão, princípios assistenciais e organizativos do SUS, consignados na legislação constitucional e infraconstitucional."

Daqui

O Tico e o Teco em minha cabeça precisaram de repouso depois dessa, mas passam bem.