27.2.08

O fim está próximo!

O fim do mundo está próximo! Só pode ser. Você abre um dos principais portais de notícias na internet e vê a singela manchete sobre uma disputa de, digamos, atributos entre a Mulher Melancia e a Mulher Jaca.

Não, você não vai querer saber do que vivem as heroínas; vamos combinar: não é preciso pensar muito pra saber, não é mesmo? E não me perguntem: embora eu saiba do que as princesas vivem, tenho vergonha em sabê-lo!

***

Falando em Apocalypso, digo, Apocalipse e afins: isso me fez lembrar de um trabalho já não muito recente em que tive que fotografar uma banda de forró, desses horrorosamente modernos, em que mocinhas 'de família' caprichavam numa curiosa coreografia: os parceiros levantavam as meninas de costas para eles, segurando a parte posterior dos joelhos e (atenção para esse detalhe!) giravam as moças numa posição digna de uma consulta ao ginecologista (ou de vários ginecologistas). Claro, naquele figurino que muita mulher de vida fácil (como hipocritamente diziam os antigos) morreria de vegonha.

Poupá-los-ei (!!) da descrição do rrrrrespeitável público...

***

É. O fim está próximo!

24.2.08

Para n perder o timing*...

(* "Ensejo", para o regimentalmente-nobre deputado Aldo Rebelo)

Hoje aconteceu a penúltima alegria de um time carioca na temporada de futebol. A última, como sabemos, é a conquista do campeonato deles lá do Rio. Alegria de torcedor de time carioca é o campeonato estadual. Sorry, periferia!* Às vezes acontece uma Copa do Brasil, mas isso é quase como uma apendicite; extrai-se o apêndice e quem se lembra dele? além disso fica um daqueles registros obscuros de almanaque, hehe...

Tudo bem, não sejamos tão definitivos: outra alegria quase-certa para os cariocas é escapar do rebaixamento. Quem será a bola da vez este ano?

* O que? Citando Ibrahim Sued!?!? Nasce um emergente!

Lá vêm eles.

Pronto. Ano de eleições municipais e lá no horizonte do inevitável progresso - 'inevitável' porque, como sabemos, em época de campanha eleitoral o Brasil é uma Suíça-mulata ou está em vias de se tornar uma, desde, é claro, que você, bestunto eleitor, eleja o Ciclano do Beleléu, o que lava mais limpo... Como eu dizia, no horizonte de nosso inevitável progresso surgem as figuras diletas, impolutas, imaculadas dos candidatos a vereador.

Não sei o que é mais chato. Seriam os lugares-comuns? Seria o descaramento de pedir voto, sendo notórios sanguessugas dos cofres públicos? Seria o fato de requentar promessas nunca cumpridas? Seria a ingenuidade em prometer rupturas e revoluções que logo tornam-se revoluções pessoais no respectivo patrimônio?

Mas é muito, muito chato você estar na rua em um raro sábado à noite (acreditem, sou caseiro a ponto dos meus vizinhos acharem que estou viajando quando estou apenas enfurnado entre meus livros e o computador) e ter que aturar um desses diletos seres, que sequer te cumprimenta na rua (o que não me faz falta), estragar seu lazer com a profundidade de colher de sopa de suas, digamos, idéias para o 'progresso da cidade'. Infelizmente isso é parte do ano que me espera e a todos nós.

Acho que ficarei mais algumas semanas enfurnados em meus livros...

23.2.08

Dicionário Caldas Aulete digital

Há alguns dias deparei-me com 5 volumes de uma edição antiga do Dicionário Caldas Aulete, um dos mais aclamados dicionários da Língua Portuguesa (se não o mais aclamado). Para minha suspresa ele está disponível para download na internet. E melhor: o dicionário eletrônico tem caráter colaborativo, o que garante a atualização. E ainda melhor: de graça!

Bem, se você (como eu) se esforça arduamente em cuidar bem da nossa língua (sem ser estúpido como o regimentalmente-nobre deputado Aldo Rebelo), conheça agora a versão eletrônica do Dicionário Caldas Aulete e divirta-se!

[Link para o Dicionário]

2.2.08

shoe-me

Eu estava procurando um mote para dizer por que gostei de primeira deste blog... Eis que a autora me sai com uma daquelas frases definitivas:

"Na arte, para desconstruir alguma coisa é preciso saber construí-la perfeitamente."


Completamente certa! Leiam já!

O que as otoridades entendem como 'responsabilidade'...

Não importa você estar com um(a) desconhecido(a) num beco qualquer no meio da folia. Beco, diga-se de passagem e sem muita dúvida, que deve ter aquele cheiro característico dos grandes banheiros públicos que se criam automaticamente nestas ocasiões que arrebanham multidões, não é mesmo?

Não importa você estar bêbado(a) ou entorpecido(a) com sabe-se lá qual entorpecente e cinco minutos depois não lembrar a cara do(a) parceiro(a)...

Não importa a exposição em alto grau de sua intimidade...

Não importa que será um fato que você vai esconder bonitinho dos seus futuros marido/mulher e filhos e familiares (isso,claro, se sobrar alguma vergonha na cara)...

Para o Ministério da Saúde, o que importa é que se use camisinha. O resto não importa.

1.2.08

"Pássaros", numa versão sem charme algum...

País tropical tem disso: chegam as chuvas e com as chuvas, os insetos. à noite vemos nos postes besouros e outros animaizinhos em tamanhos incrivelmente grandes e com aspectos nada nada confiáveis. Porém, nas últimas semanas, a combinação tropicalidade+chuvas+descaso das otoridades (constituídas por obra e graça do populacho) criou o singelo fenômeno da proliferação das muriçocas (ou pernilongos, vc escolhe).

Não é um fenômeno qualquer. Caso não se disponha de um mosquiteiro, dormir à noite é impraticável; a não ser, claro, que vc se dê o trabalho de cobrir todo o corpo e deixar apenas as narinas de fora (trabalhão, hein?). Saiba, porém, que as muriçocas por aqui se contentam com esse pedacinho de pele; sim, elas não perdoarão nem suas narinas! Deve ser o eterno flagelo nordestino: suas narinas serão para os queridos mosquitos o que as cacimbas de águas barrentas são para os humanos (teoricamente humanos) durante as secas, sei lá. E sob o mosquiteiro, naqueles minutos que antecedem o sono, o zumbido de uma nuvem de mosquitos toma conta do ambiente.

Não é caso sem solução: bastaria que algum desocupado da Secretaria de Saúde colocasse uma fumaça mágica (aqui chamam 'fumacê') pelas ruas da cidade e tudo se resolveria, mas, enfim, parece-me que as soluções simples fazem parte de um 'index prohibitorium' de qualquer administração pública digna deste país...

responda rápido...

o que é mais deprimente:

a) o desfile das escolas de samba na TV, com seus sambas-enredos nonsense, mulheres cada-vez-mais-grotescamente-siliconadas, fantasias de gosto duvidoso e os apresentadores da principal emissora de tv do país naquele esforço meio fingido, meio piloto-automático de fazer daquilo tudo algo palatável?

ou

b) uma outra emissora de TV que vive dos restos da festa, trazendo os bastidores da folia, onde um transformista (nada contra eles...*) entrevista as siliconadas, que falam o que pensam, naquela, digamos, intelectualidade glútea?

ou ainda

c) um bestunto insone, zapeando a tv em meio a isso tudo?

d) todas as anteriores?

P.S.: * ...Também nada a favor.